Introspecção: qualidade ou defeito?

em

Em 1° de dezembro de 1955, ela simplesmente se recusou a levantar-se do banco. Mesmo nos Estados Unidos da época – encoberto de políticas racistas, quando era proibido que negros se sentassem nos ônibus se brancos estivessem em pé –, uma introvertida falou mais alto e apenas se recusou a levantar-se.

Depois de ser presa por questionar a manutenção de um sistema racista legalizado, Rosa Parks se tornou um símbolo de resistência negra contra políticas opressivas. Posteriormente, o líder desse movimento, Martin Luther King Jr., levou a luta negra a patamares nunca vistos, até então, na história da nação norte-americana.

Quando o motorista perguntou: “Por que você não se levanta?”, ela respondeu: “Eu não deveria ter que me levantar”. A faísca dessa verdadeira mudança de paradigma foi Parks. A mulher significou a coragem e a audácia que todas as grandes mudanças precisam para acontecer. É difícil saber o que exatamente passava pela cabeça dela naquele momento, mas sua atitude pioneira pode ter sido causada por uma característica pouco valorizada hoje em dia: a introspecção.

A introspecção e o mundo: o que aconteceu?

“Seja mais extrovertido”. Essa expressão é muito famosa. Carl Jung criou o termo em 1921, e sua importância é legitimada graças a atualidade que a frase tem até hoje.

Em um mundo que celebra a todo instante a extrospecção – desde as idades mais tenras –, aprende-se que a socialização é o único modo de conseguir sucesso em empreitadas da vida. Porém, a autora do livro “O poder dos quietos”, Susan Cain, defende que essa supervalorização da extroversão foi criada por um movimento histórico e pode estar deixando marcas permanentes na sociedade: “Fomos incitados a desenvolver uma personalidade extrovertida por razões claramente egoístas: uma maneira de aparecer em meio à multidão em uma sociedade nova, anônima e competitiva.”

Desde a escola, as crianças são condicionadas a ficar em mesas com um grupo de outras crianças realizando atividades em conjunto. Trabalhar e desenvolver suas habilidades individualmente é uma opção remota, e a partir disso é possível analisar a raiz do problema. O grande “X” da questão não é o ato de socializar que as escolas querem empreender aos pequenos. O complexo nessa equação é o fato de que atividades, que necessitam de análise e reflexão crítica, estão sendo condicionadas às opiniões dos outros em prol da extroversão.

Em entrevista ao portal espanhol El País, o filósofo e autor do livro “A arte de ficar só”, Francesc Torralba, defende que ter um momento a sós pode ser a chave para uma vida saudável: “Para mim a solidão representa a oportunidade de revisar nosso gerenciamento, de projetar o futuro e avaliar a qualidade dos vínculos que construímos. É um espaço para executar uma auditoria existencial e perguntar o que é essencial para nós, além das exigências do ambiente social.”

Ser quieto é bom

O grande desafio é tentar rever a importância que pessoas introvertidas têm para a comunidade. Rosa Parks não é a única grande personalidade introspectiva que mudou o mundo. Sem a introversão, não teríamos a Teoria da Relatividade, o Peter Pan, a Teoria da Evolução, o Google, a Teoria da Gravidade, o Jurassik Park ou o Harry Potter.
Suscetíveis a diferentes estímulos, os introvertidos têm uma capacidade acentuada de autorreflexão e análise crítica. A partir do momento em que aprofundam o pensamento a respeito do mundo, eles se tornam mais criativos e analíticos. Além disso, são menos vulneráveis à solidão, ou melhor, sabem encará-la de uma forma distinta, quase positiva.

E se todas essas características fossem perdidas ou reprimidas só porque não se encaixam no objetivo do idealizado mundo extrovertido?

Equilíbrio é o segredo

A grande verdade é que extrovertidos e introvertidos se completam – vide Steve Jobs e Steve Woznia. Juntos, eles conseguiram fazer mais. Isso, além de entender o fato de que ninguém é essencialmente intro ou extrovertido – inclusive, alguns especialistas defendem a existência de ambivertidos, que seria a junção de ambos. Adriana Gomes, psicóloga e especialista em carreira, em uma entrevista para a revista Exame, diz: “Introvertidos e extrovertidos são perfis complementares, que contribuem cada qual à sua maneira para a produtividade de um grupo.”

Ser ou respeitar o próximo é a mensagem. A ação mais íntima e longe dos holofotes pode ser a mais relevante. No fim das contas, simplesmente não levantar do banco do ônibus pode mudar tudo.

Texto por Ronayre Nunes
Arte por Camila Alves

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s