Blogs de moda: empreendedorismo do século XXI

em

Há quem diga que blogueiras de moda não têm um trabalho de verdade. Há quem não se conforme com o rio de dinheiro que ganham apenas fazendo vídeos, looks do dia e aparições públicas. Mas já parou para pensar como elas movimentam o mercado da moda?

A resposta é simples: elas entendem a relação entre o consumo e a era digital. Até os anos 60, a moda era reservada a uma parcela mais rica da sociedade, à elite, e hoje ela já está ao alcance de todos. Isso aconteceu a partir do século XX, quando a moda se democratizou pelos meios de comunicação – incluindo jornais, revistas e televisão –, o que permitiu a ampliação do mercado e o aumento do consumo. A internet, apesar de ser algo bem mais recente – com sua expansão mundial aproximada em 1990 –, já se revela hoje como algo imprescindível para muitas pessoas. Seu alcance faz do século XXI a chamada era digital, ou “sociedade da informação”.

Mas o que as blogueiras têm a ver com tudo isso? É como se elas tivessem unido o útil ao agradável. O necessário ao indispensável. O consumo às mídias. Segundo a Associação Brasileira de Indústria Têxtil (ABIT), o Brasil gera uma produção de 6,4 bilhões de peças por ano. Além disso, o acesso à internet no país em 2008 foi avaliado em 43 milhões de internautas, sendo que, em 2007, o número estimado de blogs no mundo atingia 170 milhões – destes, 5,9 milhões são brasileiros. Já que a maioria das pessoas têm acesso à internet, 80% dos internautas brasileiros acessam blogs e a demanda no mercado da moda é intensa, por que não trabalhar em cima disso? É exatamente o que as blogueiras mais reconhecidas no Brasil e no mundo estão fazendo.

Por meio de vários posts semanais em suas páginas na internet, as blogueiras de moda estão, literalmente, ditando moda. O alcance das publicações faz com que suas leitoras queiram adquirir as peças que elas usam e experimentar produtos que indicam. A partir dessa relação mútua entre blogueiras e leitoras, principalmente via comentários nos blogs e em outras mídias, empresas de renome no mercado da moda têm percebido a influência dessas mulheres na sociedade e têm feito disso uma estratégia de marketing. As blogueiras se tornaram de fato líderes de opinião e grandes empresas já reconhecem que, para manter uma comunicação eficaz com o seu público, elas precisam saber como os meios digitais e a interatividade podem ajudar a construir ou tornar a reputação de uma marca ainda mais forte.

Não é à toa que várias lojas têm usado blogueiras como voz e imagem de suas campanhas publicitárias. Camila Coutinho, por exemplo, do blog Garotas Estúpidas – um dos mais populares do Brasil –, assinou uma coleção de sapatos e bolsas para loja Corello, em 2012. Essa mesma loja, no ano anterior, apostou em outras cinco blogueiras para sua campanha de Inverno, incluindo a própria Camila. O resultado não poderia ter sido diferente: as leitoras e fãs foram atrás dos produtos exclusivos, a marca vendeu mais do que o esperado e ainda ganhou reconhecimento. Lelê Saddi, empresária e blogueira, disse: “É o momento dos blogs. As marcas estão percebendo o poder das blogueiras. Temos o poder de vender as coisas. É impressionante: a gente coloca no blog, vende; fala, vende; o que a gente usa, vende”, em entrevista ao programa GNT Fashion, do canal GNT.

Ser blogueiro pode ser sim uma profissão. Mesmo que baseada em imagem pública e vaidade, é uma carreira que demanda tempo, paciência, atualização e, pasmem: muito espaço na conta bancária. Já teve curiosidade de saber qual o salário de uma blogueira de moda? Para se ter um ideia, as blogueiras do Sul e do Sudeste – que costumam ter mais seguidores em suas mídias sociais – chegam a cobrar R$ 5 mil por um post no Facebook, R$ 4 mil por postagens no Instagram e R$ 6 mil por vídeos personalizados no YouTube, fora campanhas publicitárias e anúncios na página inicial de seus blogs. De acordo com o portal FFW Fashion Forward, fontes indicam que blogueiras como Camila Coelho podem cobrar até R$ 40 mil por presença em desfiles, em eventos como o São Paulo Fashion Week. No final do evento, Camila chega a faturar R$ 320 mil. Helena Bordon, blogueira e filha de Donata Meirelles, Diretora de Estilo da Vogue, ganha por volta de R$ 15 mil por aparição. Os valores não são oficiais, mas de acordo com a pesquisa do portal podem ser uma estimativa de quanto elas ganham em apenas uma semana de moda.

Sendo oficiais ou não, o fato é que essa profissão do século XXI é pra lá de promissora. E desejada, talvez. Porque, convenhamos, se nada der certo: viremos todos blogueiros.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s