Jornalismo, o laboratório de Hemingway

em

Por Amanda Venicio

Curto. Claro. Conciso. O estilo do escritor Ernest Hemingway se confunde com os princípios do jornalismo tradicional. Não é coincidência: o autor trabalhou como jornalista antes de se dedicar completamente à ficção.

Foi no ensino médio que Hemingway entrou em contato com o universo das redações. Em 1916, o estudante começou escrever para a publicação da escola, Trapeze. No ano seguinte, matriculou-se em aulas extracurriculares de jornalismo.

No Trapeze, Hemingway publicava artigos sobre eventos locais e fazia experimentos.  O estilo casual e cômico do jornalista esportivo e escritor Ring Lardner era referência para o estudante. Hemingway buscou emulá-lo numa série de artigos que estava longe de ser unânime entre os alunos. Assim como o do seu ídolo Lardner, o estilo do Hemingway adolescente era anárquico, sarcástico e cru.

Concluído o ensino médio, Hemingway contrariou os desejos do pai e trocou a faculdade pelo emprego de jornalista em Kansas. O jornalismo moderno estava começando a ganhar corpo. O uso da “pirâmide invertida” e os príncipios de clareza e precisão eram novidades da época.

O fundador e editor do Kansas City Star, William Rockhill Nelson, compilou uma coleção de regras que serviam de base para a redação do jornal: “Use frases curtas. Use primeiros parágrafos curtos. Use inglês vigoroso. Seja positivo, não negativo”. Hemingway reconheceu posteriormente a influência de Rockhill Nelson, numa entrevista em 1940: “Aquelas foram as melhores regras que já aprendi sobre o negócio de escrever.”

A rotina de jornalista, porém, era cansativa para o autor. Em carta ao pai, Hemingway reclamava da pressão de entregar histórias informativas “em perfeito estilo” num intervalo de tempo limitado. O escritor resolve se alistar no exército e viaja para a Itália, onde vive por um ano.

Ao retornar para a América do Norte, Hemingway consegue emprego na edição especial de Sábado do Toronto Star. A atmosfera era bem diferente da do jornal anterior. Hemingway passou a ter liberdade temática e formal, uma vez que se tratava de um semanário e não de notíciais diárias.

Sob o editor do Toronto Star, Hemingway pôde explorar sua habilidade narrativa e gosto pela ironia. Os temas tratados por Hemingway em seus textos jornalísticos são os mesmos da ficção: vida ao ar livre, pesca, acampamento, crimes.

Em 1921, Hemingway convenceu seu editor a torná-lo o primeiro correspondente internacional do Toronto Star. Recém-casado com Hadley Richardson, o escritor mudou-se para Paris, onde encontrou ainda mais liberdade para escrever. Ele mesmo deveria definir as pautas de seus artigos, que costumavam tratar da vida de expatriado, de conselhos a futuros turistas ou dos hábitos parisienses. Nesse período, porém, Hemingway tomou decisões que macularam sua credibilidade como jornalista.

Hemingway em 1944. Do jornalismo moderno, o escritor emprestou frases curtas, sem advérbios e com palavras simples.

Enviado para cobrir a Guerra Greco-Turca em Constantinopla, Hemingway violou seus termos com o Toronto Star e aceitou escrever também para o Hearst International News Service. Foram enviados dois artigos idênticos para os veículos, e o editor do Star descobriu a falcatrua.  

Ao cobrir uma conferência de paz na Suíça, o escritor lançou mão do mesmo arranjo, além de enviar artigos clandestinos para a Universal News Services. Teve a cautela, porém, de fazer alterações nos textos para que os veículos não tivessem acesso a cópias idênticas.Pouco versado em política ou economia, o escritor mal se esforçava para compreender os assuntos tratados. Limitava-se a relatos dramáticos de dicussões entre delegações e a descrições de personagens.

O escritor via o jornalismo como um ganha-pão cujas frustações prevaleciam mais que os benefícios. Hemingway queria tempo para se dedicar à ficção. Anos mais tarde, o autor diria em entrevista ao Paris Review que “o jornalismo, depois de um ponto, pode ser uma auto-destruição diária para um escritor criativo sério”.  

O primeiro livro de Hemingway, Três Histórias e três poemas, foi publicado em 1923. O último artigo do escritor no Toronto Star saiu em 24 de Janeiro de 1924. De volta a Paris, Hemingway se entrega completamente à escrita criativa.

Lançado neste ano, o Hemingway App avalia textos de acordo com preceitos tradicionalmente associados ao autor: poucos advérbios, frases fáceis de ler, palavras simples, voz ativa. No aplicativo, os escritos do próprio Hemingway alcançam apenas a nota “O.K.”.

Ian Crouch, em artigo para a revista New Yorker, questiona se “Hemingway realmente escrevia como Hemingway”. O jornalista expõe um trecho de “O sol também se levantaque foge claramente dos princípios citados. Crouch argumenta que a forma contida de Hemingway serve para enfatizar as partes em que ele escapa à concisão.

O estilo de Hemingway tem pontos conflitantes com os princípios do jornalismo moderno. Embora revise e edite seu texto várias vezes, o autor não escreve contos  “amarrados”. Criador da “Teoria do Iceberg“, o escritor prefere deixar o verdadeiro sentido escondido da superfície.

Como demonstra Crouch, períodos curtos e concisos frequentemente convivem com frases longas, verbosas, sem pausas. Incorporando determinadas técnicas jornalísticas e descartando outras, o autor desenvolveu o seu estilo. Ainda que posteriormente tenha rejeitado as salas de redação, elas foram o seu laboratório.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s